Próximo Desafio: Brevet BRM600, Audax 600, Holambra-SP, 26/07/2014

Olá amigos!

Post rápido para anunciar minha participação regular no próximo BRM 600, Brevet 600, modalidade Randonneur, conhecido também como Audax 600 neste mundo do ciclismo de longa distancia, e é organizada pelo clube Audax Randonneurs SP.

Os sentimentos são bons, estou positivo em minha mente, mas com os joelhos em frangalhos (no campo das questões físicas). Tenho todavia, franca esperança de que se recuperem até lá!

Trecho da Rod. Anhanguera, SP330, em Porto Ferreira.

Trecho da Rod. Anhanguera, SP330, em Porto Ferreira.

Confira neste link a relação de inscritos confirmados.

Agradecimentos antecipados à Tutto Bike e à Curtlo, marcas que levarei junto comigo nesta empreitada, empresas que acreditaram/acreditam em uma causa pequena, um ciclista desconhecido participando de provas que não trazem nem glória nem títulos.

Serão 609,7km – um itinerário no mínimo longo – em um cenário onde o sol tem por tradição judiar daqueles que estão mais abaixo, e numa estação do ano em que a noite e a madrugada serão geladas. Tal itinerário deve ser percorrido em no máximo 40h.

Vamos largar às 04:00h da manhã do dia 26/07/2014, Sábado, tendo até as 20:00h do Domingo, 27/07/2014, para chegada.

A prova esta dividida da seguinte forma

  • Etapa 1: Holambra – Casa Branca  – Holambra, 252,9km; (passando por Esp. Sto. do Pinhal e São João da Boa Vista)
  • Etapa 2: Holambra – Limeira – Holambra, 101,5km; (passando por Arthur Nogueira e Eng. Coelho)
  • Etapa 3: Holambra – Porto Ferreira – Holambra, 256,1km; (pelo mesmo trecho da etapa 2, mas seguindo agora pela Rod. Anhanguera até Porto Ferreira e retorno);

Se tiver interesse, é possível baixar a planilha de rota clicando aqui.

O mapa do percurso, pelo Bikely

http://www.bikely.com/maps/bike-path/audax-600-holambra-2014

Considere que a primeira etapa sobe direto para o Norte, desvia em Mogi Guaçu, e retorna após atingirmos Casa Branca; E que a segunda etapa (rumo Noroeste praticamente) é um pedaço da terceira, que por sua vez será repetida e prolongada um bocado mais.

A estrutura dos PC’s e Pontos de Apoio

PC0 (Largada – 0 km)
Clube Fazenda Ribeirão – Rua Mauricio de Nassau, 894
(abertura 4:00 / fechamento 5:00)
– água/frutas

PC1 (67,1 km)
Posto Shell – Posto D’Arcadia – Espirito Sto. Do Pinhal
(abertura 6:00 / fechamento 9:30)
– água/gatorade/frutas/lanche salgado

PC2 (150,9 km)
Churrascaria Tempero Gaúcho – Avenida José Beni, Casa Branca
(abertura 08:41 / fechamento 14:00)
– água/gatorade/frutas/lanche salgado

PC3 (252,9 km)
Pousada OCA – Rua Campo de Pouso, 784 – Centro – Holambra
(abertura 12:07 / fechamento 20:48)
– água/gatorade/frutas/lanche salgado
>>>>Almoçarei bem perto, depois Banho e rápido relax em um Hotel bem próximo<<<<

PC4 (302,5 km)
Posto Graal – Rodovia Anhanguera SP 330 placa Norte KM 151
(abertura 14:02 / fechamento 0:04 DOM)
– água/gatorade/frutas/lanche salgado

PC5 (353,6 km)
Pousada OCA – Rua Campo de Pouso, 784 – Centro – Holambra
(abertura 16:09 / fechamento 03:31 DOM)
– água/gatorade/frutas/lanche salgado
>>>>Banho e um pouquinho de sono em um Hotel bem próximo<<<<

PA (411,7 km)
Posto Graal – Rodovia Anhanguera SP 330 placa Norte KM 159
– não haverá organização no local

PC6 (481,5 km)
Hotel Gran Roqueto- Av Eng Nicolau de Vergueiro Forjaz, 1140 – Porto Ferreira – SP
Telefone: (19) 3581-4303
(abertura 21:40 / fechamento 12:03 DOM)
– água/gatorade/frutas/lanche salgado
>>>>Se tiver vaga, dormirei ao menos 1 hora aqui<<<<
*possibilidade de locação de quarto para descanso e banho
*possibilidade de café da manhã no hotel entre 6:00 e 10:00 de domingo

PA (555,2 km)
Posto BR/Restaurante MARRAKECH 24hs – Rodovia Anhanguera SP 330 placa Sul KM 155
– não haverá organização no local

PC7 (609,7 km)
Pousada OCA – Rua Campo de Pouso, 784 – Centro – Holambra
(abertura 02:20 DOM / fechamento 20:00 DOM)
– água/frutas

Um pouco do que usarei

Um grande e fraternal abraço à todos!

Anúncios

Review da Calça para Ciclismo Vertigo II, Curtlo

Olá amigos!

Resolvi produzir meu review ou relatório sobre um dos produtos que estou usando nas provas de ciclismo de longa distância, mais exatamente os Brevets BRM’s de 200, 300, 400 e 600km. O produto em questão é a Calça Ciclista Vertigo, da marca Curtlo.

calca_vertigo

 Escolhi a Calça porque buscava uma alternativa à Bermuda, uma alternativa que me garantisse melhor proteção contra o sol (toda parada em um PC de alguma prova eu perdia algum tempo com a re-aplicação de protetor solar). Também buscava de alguma forma um pouco de proteção contra o frio que faz durante a noite e madrugada, sobretudo nos meses de inverno. Depois de pedalar algo como 300km numa prova de 400 por exemplo, você acumula algum desgaste, e por conta disto (além de outros fatores) tende a sentir mais frio do que sentiria se estivesse acabando de sair de casa, com as pernas frescas! Buscava ainda um forro um pouco melhor do que o das Bermudas que vinha usando (forro ou acolchoamento).

Então eu queria algo que, diferentemente da Bermuda, garantisse maior proteção contra a incidencia dos raios solares e do frio ou dos ventos “gelados” durante a noite e madrugada, (além de um forro/acolchoamento aprimorado) mas que fosse um pacote único! Não atendiam meus anseios as soluções que trouxessem peso, volume ou trabalho extra (levar um pernito ou uma calça numa mochila ou alforge por ex.). O que me veio à mente foi algo muito simples: Calça para ciclismo!

Meus amigos perguntavam: “Calça?”, “Embaixo deste nosso Sol quente…”, “Não vais fritar em baixo do sol?”, “Não vais “cozinhar” lá dentro?”, “Não é muito quente?”.

Eu respondia algo como: “Acho que não, tem muito tecido aprimorado no mercado, e vejo alguns velhos lobos da estrada usando estas calças, mesmo em regiões mais quentes do que onde vivo. São pessoas tão mais experientes que eu, não devem ter feito esta escolha à toa…”

A escolha pelo produto da Curtlo (poderia ser de qualquer outra marca, afinal de contas):

Bom, eu uso produtos desta marca há um bom tempo, os da linha vestuário que possuo e/ou possuí, normalmente me propiciam ou propiciaram excelente sensação ao toque, a costura é de primeira… É uma marca nacional que me encanta não só pela qualidade do que produzem, pronto!

Além disto, a Calça Vertigo havia acabado de ganhar novo forro, diferente dos das Bermudas desta mesma série, que eu vinha usando. Era um ponto a se considerar, poderia ter melhorado muito (ou não).

O forro da nova calça Vertigo II, da Curtlo.

O forro da nova calça Vertigo II, da Curtlo.

Recebido o produto:

Recebi o produto direto do fabricante, e se não me falha a memória isto foi na ultima semana de Fevereiro. No dia 03 de Maio eu participaria de uma prova com 300km de distancia, para ser percorrida em no máximo 20 horas. Queria ter esta questão da Calça resolvida até lá… Seria o “teste de fogo” para o produto.

Fiz 03 girinhos curtos, de 50km contínuos cada um, entre os dias 31/03 e 02/04. Foram dias quentes e só usei embaixo de sol. A ideia era começar apenas sentindo o produto, dando tempo ao corpo para que o percebesse, mas numa levada dia trás dia, sem grande descanso para a pele, e as sensações iniciais eram as melhores!

Um dia de descanso e mais 03 dias seguidos de 50km contínuos cada (estamos agora com 300km de uso). Lavei a calça neste dia de descanso. Lavagem muito fácil, secagem rápida, estou gostando loucamente.

Um dia de descanso (não lavei a calça desta vez) e agora mais 03 dias seguidos de 100km contínuos cada (somado aos dias anteriores estamos agora com 600km de uso). O produto não fede (milagrosamente? Ou o tecido Sanitized®, aplicado ao forro desta calça funciona pra valer?, não acredito muito em milagres…), e curiosamente não tem qualquer aspecto de suja ou surrada, está realmente nova ainda!

Das sensações e reflexões após os testes iniciais:

Quanta alegria saber que não estava “fritando” dentro do produto, que não trazia calor extra (não em minhas sensações), e que trazia efetivamente aquela proteção extra que buscava. Agora eu não aplicava e tampouco re-aplicava protetor solar nas pernas. Era um trabalho a menos, e mais tempo livre para fazer outras coisas nas paradas ou simplesmente sair mais cedo de um ponto de parada.

A sensação ao toque propiciada pelo tecido é das melhores, e do acabamento nem fala: um primor de construção! O tecido é composto de Poliamida (87%), responsável pela agradável sensação ao toque, pelo frescor, e por outras coisas que um especialista poderia dizer melhor, e Elastano (13%), é o que confere o caráter moldável do produto, sua elasticidade (pode ter outras funções também, não sei ao certo).

O Zíper na extremidade inferior da calça (tornozelo/canelas), é de primeira categoria (um YKK escohido a dedo pelo fabricante), abre e fecha de maneira quase performática eu diria. Facilita loucamente o vestir desta calça, bem como o despir.

Nesta extremidade do tornozelo, há um elástico (interno, sem contacto com a pele) que julgo na medida! Não aperta, não é frouxo demais, e dá o fechamento que você busca. Se tiver o tornozelo mais grosso, é possível abrir um pouquinho do zípper e está resolvido o problema. Não possui faixa de silicone ou algo do tipo em contacto com a pele, para evitar que a calça suba, o que me encanta muito! Adorei a ausência desta faixa de silicone ou borracha.

Na extremidade que envolve a cintura, temos elástico também na medida – em meu julgo – novamente interno, sem contacto com a pele, e fechamento por um cordão de primeira linha. É curioso alguém dar atenção aqui a um cordão de fechamento, um detalhe tão pequeno, irrelevante para alguns… De qualquer maneira, o cordão é muito bom, também escolhido à dedo (parabéns pelos detalhes Curtlo).

Dois pequenos bolsos estão dispostos de maneira estratégica, um em cada coxa. Pode-se colocar alí alguns sachês de carbohidrato em gel se você usa, ou algumas barrinhas de cereal ou coisa que o valha… Também pode-se colocar alí uma carta de rota, em tamanho reduzido e plastificada de preferência. Eu cheguei a colocar o celular em um momento ou outro em um destes bolsos (não recomendo longo tempo de permanência de eletrônicos nestes bolsos, tem muito calor e transporte de umidade envolvidos aqui).

O logo na parte anterior da calça é refletivo, e grande (o que durante à noite é um trunfo, um coringa, se não for coberto pela camiseta, corta-vento ou mochila, claro). Fica bem visível uma vez vestida a calça. O logo no bolsinho da perna esquerda é bem mais discreto, mas ainda refletivo.

E por fim o forro ou acolchoamento: Melhorou um bocado com relação ao forro anterior, está melhor em todos os sentidos, embora eu acredite que pode melhorar um pouco ainda. Para distancias abaixo de 300km me saiu uma maravilha, a solução de meus problemas. Após a faixa dos 300km, ainda me saiu um bom forro, mas ficou a impressão de que precisamos de algo ainda melhor para superar sem maiores desconfortos esta marca kilométrica.

O teste de fogo:

Brevet Audax BRM 300, conhecido como Audax 300. Participei de uma prova destas em Holambra-SP, realizada no dia 03/05/2014, organizada pelo clube Audax Randonneurs SP.

Foram 300,8km que percorri em 17h:50m corridos, 4 paradas em PC’s, sol à pino durante o dia e uma noite que fez muita gente reclamar de frio, sobretudo nas baixadas e descidas.

A proteção contra incidência dos raios solares foi perfeita, e o único pedacinho ou centímetro de perna que a calça não cobria junto ao tornozelo era protegido pela meia (cano curto). Definitivamente não passei calor por conta da calça, e agradecia dentro de minha cabeça em cada uma das paradas por não ter que re-aplicar protetor solar. Agradecia também por não ter cristais de areia e solo “grudados” à pele, aglutinados pela mistura de protetor solar e suor.

Durante à noite, foi muito simples perceber que com menor área de pele exposta às intempéries, o conforto térmico era maior (é o obvio, mas nem sempre considerado, não por todos). Nas baixadas, fundos de vales, bem como nas descidas, os joelhos não enregelavam-se (como me ocorria neste cenário, usando bermudas), estavam a final de contas protegidos agora, a calça mantém um bocado do calor produzido pelo corpo, ainda que não seja projetada exatamente para isto (para a função de retenção do calor existe o base-layer ou segunda-pele), ou no mínimo, retardam a troca termica.

O forro funcionou bem! A pele na região das nádegas, bem como virilhas, não sofreu muito. Fiquei muito feliz e/ou satisfeito com a performance do produto.

Teste de fogo 2:

Sim, houve um segundo teste de fogo: O Brevet Audax BRM 400, conhecido popularmente como Audax 400km. Novamente em Holambra-SP, realizado no dia 14/06/2014, pelo clube Audax Randonneurs SP. Concluímos (eu e a calça) os 400km em 23h:26m: manhã, tarde, noite, madrugada e manhã pedalando continuamente.

Dia completamente ensolarado, embora não fosse possível chamar de Sol à pino, e noite um pouco fria. A calça foi só elogios meus em todo este período, e somente me coloquei a pensar sobre o forro depois de 300km percorridos nesta prova ultima.

Considerações finais:

  • Foram 1300km rodados (400 + 300 + 300/3 dias + 150/3 dias + 150/3 dias);
  • Sensação ao toque; conforto; resistência; durabilidade; absorção da umidade/suor; usabilidade; facilidade para limpeza, conservação e trato; materiais utilizados na construção; os pequenos detalhes; a concepção do produto: Nota 10!
  • O Forro ou Acolchoamento: Nota 9,5 (porque acredito que para LONGA DISTÂNCIA, pode melhorar um pouquinho, talvez.