Sobre os Ultimos pedais + Novos Rumos

Buenas;

Meninada, o Audax 200 está chegando, e minhas mãos coçando para fazer outros pedais longos e tal… Carta de Rota, regulamento e Termo de Responsabilidade impressos, bike em ordem (falta uma seção limpeza apenas, depois dos ultimos pedais que peguei um pouquinho de água em alguns trechos), meu kit de viagem está preparado!

Bom, a ideia depois do Audax 200 é descolar um final de semana e pedalar no coração do Pantanal, um trecho que fiz há alguns anos, pela Estrada Parque Pantanal. Sai da BR262 (buraco das piranhas) e entra na MS-184 até Curva do Leque, quando se dobra à esquerda e a Estrada passa a ser a MS-228.

Esta é uma pedalada daquelas que marca uma vida, percorre 120km saindo do buraco das piranhas até Corumbá-MS. A estrada é uma unidade de conservação, você cruzará mais de 100 pontes, com direito à transposição do Rio Paraguai e tudo, e há uns 6 mirantes com paineis explicativos agora… É o coração do Pantanal Sul MatoGrossense, e você verá MUITOS bichos o tempo todo, de Jacaré na beira da pista a Sucurí no meio do caminho ou Comitivas inteiras de transporte de gado ocupando toda a pista e de encontro á você! No período da seca você vê mais bichos.

Muita ponte e muita Agua, muito verde.

Basicamente, pelo que me recordo, você passa pelo Pantanal do Nabileque e Nhecolândia, mas como passa também pelo Rio Negro, não duvido que pegue um trechinho do Pantanal do Rio Negro (aí vc se torna um pantaneiro completo).

Ponte sobre o Rio Miranda - Passo do Lontra

Alguns pontos marcantes, para mim:

  • Buraco das Piranhas;
  • Passo do Lontra;
  • Curva do Leque;
  • Porto Manga (ou Porto da Manga);
  • Maciço do Urucum.

Historicamente, a estrada foi desenvolvida a partir de um trilha que havia sido aberta por Marechal Rondon, e que por muito tempo foi o único meio de ligação do interior de Corumbá com a Capital do Estado, Campo Grande.

Óbvio, o mapinha básico do recorrido

Bom, é este trechinho do Pantanal que desejo loucamente pedalar uma vez mais, e Deus queira que seja logo.

E sobre os ultimos pedais realizados em estrada? Você está treinando para o Audax né seu Bugre indisciplinado… Não, não estou treinando, a verdade nua e crua é esta, eu não estou treinando mas pedalando um pouco de vez em quando.

Fiz recentemente 117km saindo de casa (sao bernardo do campo), com direção a Paranapiacaba, um retorno antes de Rio Grande da Serra até o portão de casa para pegar um protetor solar e tudo repetido novamente. A Ana me acompanhou do Riacho Grande o retorno antes de Rio Grande da Serra. (um pneu furado, e fortíssimo bronzeado que me deixou duas cores)

Fiz outro pedal saindo de casa até Paranapiacaba, na Mountain Bike, que com meus desvios estranhos deu 75km e nenhum pneu furado. Tentei pedalar 200km outro dia, se não me engano no feriado do dia das crianças, mas estrada molhada, fina garoa, e tres pneus furados em algo como 20km me fizeram abortar os planos imediatamente, totalizei no máx. 35km.

No ultimo final de semana, 23/10/2010, fiz uns 35km de novo, estes dois ultimos pedais no trecho da estrada velha de santos, acho que hoje se chama caminho do mar, e que depois do acesso à Indio Tibiriçá, se mostra um trecho simplesmente maravilhoso para se treinar ou pedalar alegremente com a família.

Eu gostei muito de ter furado tanto pneu nos ultimos dias, me fez afinar o processo de troca da câmara e também remendo, quesitos importantíssimos para quem vai pedalar um Audax, e no final das contas eu adoro remendar câmara! Se você tem câmaras para remendar, envie para mim! kkk.

Anúncios

Equipamentos essenciais – Aquisições para o Audax 200

Buenas;

Vou falar sobre os brinquedinhos que tem me ajudado na missão de retomar a vida sobre os pedais. Este post surgiu na cabeça quando olhei minha bermuda de ciclismo nova hoje cedo, me está sendo tão companheira que senti a necessidade de falar destes equipos que no final das contas são fies companheiros.

Bom, o caboclo às vezes resolve pedalar, ou voltar a pedalar, e não se liga que a facada no bolso não é só o valor da bicicleta, vai MUITO além!!! Entre alguns destes itens, uns imprescindíveis, outros nem tanto, estão:

  • Bermuda de Ciclismo, tipo acolchoada;
  • Capacete;
  • Luva;
  • Pedal Clipless;
  • Sapatilha pro Pedal Clipless;
  • Bomba para inflar pneus na estrada (do tipo vai anexo ao quadro da bike);
  • 02 Câmaras reserva;
  • Remendo;
  • Espátula para tirar os pneus;
  • Caramanhola ou mochila de hidratação;
  • CicloComputador;
  • Mala Bikes (se vc vai viajar para fazer provas por ex, ou levar a bike nas viagens);
  • Mala Rodas

Bom, disto tudo, alguns itens são dispensáveis se vc não vai transportar a bike DENTRO de seu carro de vez em quando, ou despachar no ônibus ou avião. Outras coisas podem ser dispensáveis se vc já pedalava e as tem. Sapatilha e Pedal Clipless podem não ser tua praia, portanto nada essencial, mas eu considero de fundamental importância se a ideia é pedalar de forma a obter mais da energia produzida no ciclo. Com Pedal Clipless e Sapatilha você vai mais longe!

Recomendo fortemente as bermudas de ciclismo da marca curtlo, eu estou usando o modelo Force, que vc pode comprar na Empório Aventura. As Bermudas da Curtlo estão muito reforçadas e com excelente acabamento final, o logo é refletivo e ajuda dar uma sinalizada a mais quando a pedalada correr noite a fora.

Bermuda Force - Curtlo

Mala Bike eu recomendo também a da Curtlo, assim como o Mala Rodas, pelos mesmos motivos que me levaram a escolher a bermuda deles: Excelente acabamento, materiais de primeira linha, muita resistência e durabilidade, protege a bike de verdade porque tem digamos assim, tecido mais grosso/parrudo que a maioria das outras encontradas no mercado nacional. Por fim, o pós venda deles é maravilhoso, se um dia vc tiver problemas com o material, defeito de fabricação, ou mesmo o azar de rasgar algo acidentalmente ou porque vc foi uma besta relaxada! Entra em contacto, manda o material para eles, que analisam, e se for defeito de fabricação ou falha do material usado na produção, entra na garantia e volta supimpa pra casa; Se for o caso de vc ter sido uma besta que rasgou o bagulho, eles te propõe o conserto/restauração, informando o custo do serviço (normalmente é um preço simbólico até).

Você clica aqui, e compra sua Mala-Bike, Mala-Rodas ou Alforge na Empório Aventura, porque os caras de lá são nota 10! E tem bom preço! Eles também pedalam.

Mala Bike e Mala Roda Curtlo

A bomba para inflar pneus poderia gerar um tópico só para ela, me foi uma novela, uma angústia que só, encontrar uma que me atendesse os anseios de quem vai levar numa Bicicleta de Estrada, ou Road Bike (alguns chamam equivocadamente de Speed). A sacada é que para Road a danada da bomba tem de ser capaz de botar no mínimo 100PSI, a depender do pneu que vc usa mais… E aí é lógico, se vc vai botar 100PSI, e não quer se matar de esforço para tal, a bomba tem de ter capacidade para 130PSI pelo menos.

Na Mountain Bike tudo é diferente, praticamente qualquer bomba resolve a bucha, e eu usava em outros tempos um modelo da Zefal, que vai encaixado no quadro da bike, sem suporte ou adaptador, levava embaixo do Top Tube e se encaixava com um mecanismo de mola e tal. Eu adorava aquelas bombas, mas na bikes de estrada era muito sacrifício para colocar apenas 80PSI e aí a rolagem dos pneus ficava comprometida. Pneus mal calibrados, pouco inflados, estão mais suscetíveis a furos e eventuais pancadas que comprometam o aro!

Depois de muita angústia, acabei ficando com um modelo adquirido na Decathlon, a Clever 900, que é uma bomba de mão, mas também pode ser usada como uma bomba de pé, tornando tudo muito mais cômodo, reduzindo bastante o esforço na hora de inflar. É compacta, digo, menor que aquela que mencionei usar em outros tempos, bota 130PSI de pressão pra dentro dos pneus sem esforço algum, e vai clipada num adaptador que você instala nos parafusos do quadro para o suporte de caramanhola. Você pode optar por instalar o adaptador/clip em baixo do suporte de caramanhola, usando o mesmo parafuso já em ação, ou usar o outro par de furos/parafusos para suporte de caramanhola que tenha em seu quadro (normalmente os quadros tem dois pares destes furos).

A antiga e a nova Bomba para inflar pneus.

O único contra desta bomba em minha opinião, por enquanto, é que julgo pesada (270~280gr), mas faz o trabalho tão bem feito, e com tanta facilidade, que recomendo. Custou R$ 49,00.

Recomendo fortemente uma bomba de pé, para se ter em casa. Em especial, se vc não mora coladinho em um posto de gasolina ou borracharia que tenha um inflador/calibrador.

Bomba de Pé, ou Floor Pump, ou Bomba de Chão, o que seja.

Caramanhola ou Mochila de Hidratação? (acho que vou fazer um post só para isto depois). Bom, a maioria do pessoal de Road Bike prefere caramanhola, e muita gente no Mountain Bike prefere mochila de hidratação. Para treinos curtos, pequenas distancias, trechos conhecidos, a caramanhola deve levar vantagem, porque tira aquele fardinho das tuas costas, você sempre pedala um pouco mais solto sem mochila de hidratação, esta é a verdade!

Mas, para distâncias mais longas, estas mochilas de hidratação são milagrosas na minha opinião. Eu as uso desde que me entendi por gente no meio do ciclismo, e nelas confio o transporte de minhas câmaras reserva, remendo, canivete de ferramentas, comidinha básica, e obviamente Água! Isto livra você de comprar uma bolsa de selim ou outras do tipo que vão plugadas na bike, como penduricalhos e que eu abomino. Eu detesto coisas penduradas na bike, tira até a aerodinâmica da pobrezinha, lastro não!

Eu gosto muito de uma mochila de hidratação da marca Deuter (alemã), a Hydro Lite 2.0, que leva 2L de água e mais alguns badulaques que vc precise. Existem também outros modelos que cabem muito mais coisa, é questão de viajar nos modelos, saber o que vc deseja transportar, se cabe, e depois testar, aprender a usar mochila na bike é quase uma arte, kkk. Novamente, a Empório Aventura tem maravilhosos modelos, bons preços, e os caras podem lhe ajudar na escolha, se estiver indeciso ou sem o menor rumo.

Mochila de Hidratação Hydro Lite 2

Câmara reserva, Espátula, Remendo, Bomba para inflar: Nem pense em sair de casa para a estrada sem estes itens! O risco de Grande Roubada é enorme. Se você não quer comprar um par de espátulas do tipo mais apropriada, separe duas colheres do tipo “de sopa”, corte fora a parte onde vai a sopa, e fique só com os cabos das colheres, sim, são maravilhosas espatulas, use a parte arredondada obviamente para enfiar pneu adentro! (isto é válido para colheres que tem o cabo metálico, sem revestimento de plástico ou madeira, a boa e velha 100% inox é do capeta!)

Um bom kit de reparos - vc pode comprar tudo avulso e baratear custos

Na beira da pista, pneu furado, você tem opção de simplesmente trocar toda a câmara rapidinho e sair pedalando, ou sem camara reserva só tem a pção de remendar a frio, esperar secar e então re-instalar e rodar… Eu prefiro a opção n. 1, e por isto levo sempre no mínimo 02 câmaras reserva. Mas tem dia que a bruxa está solta, e vc vai precisar de remendo depois que furar tres vezes o pneu. Eu recomendo o bom e velho remendo estrela da marca Vipal, você não precisará de um maior que 25mm (o menor produzido). Não gosto nada daquele tipo que vem em alguns kits prontos, que vc tem de cortar um pedacinho e tal… Furada! Não funciona tão bem, prefira os do tipo estrela, ou outra solução aprimorada.

O bom e velho remendo estrela da Vipal - R$ 0,25 (média de preço)

Minha dica é: Rode muito, esprema o limão, fure as câmaras, sorria enquanto as troca na beira da pista, acumule as câmaras furadas, e chegando em casa ou na próxima grande parada, uma seção de remendo! Eu adoro remendar câmara de ar, tenho verdadeira fissura por isto, meus remendos a frio são – modestia a parte – muito bons. Estou pensando seriamente agora em comprar uma vulcanizadora do tipo pequena, para o lar, e começar a fazer remendos profissionais para a turma toda!!!

Tá OK, eu não falei sobre um monte de coisas, eu sei. Isto não é um compêndio, a ideia era falar um pouquinho que fosse sobre os amigos que tanto  me ajudam na estrada!

Um grande abraço, não desliguem, e até o próximo “Bugre do Dia”

Retomando as rédeas da vida sobre duas rodas

Buenas;

Cá está o Bugre novamente, mais eufórico ainda que outrora. Explico: Resolvi faz algum tempo que voltaria a pedalar, talvez até com a mesma intensidade dos tempos da Universidade (260km todo final de semana, 130 ida – 130 volta).

Bom, comecei aos pouco a melhorar a mountain-bike, o Dani Ducs ajudou muito nesta empreitada enviando-me algumas peças que adquiri na Europa (ele está morando na Holanda, então pude mandar as peças adquiridas na Inglaterra para seu endereço, reuniu tudo numa caixa só e gastei apenas um frete). Mereceu uma pedalada de 75km para estrear a nova configuração da magrela! (desculpa Ducs, eu havia prometido uma pedaladinha de 100km né, foi mal, encurtei demais a coisa).

A mountain-bike em ordem foi essencial para voltar ao ritmo, pois é mais versátil que a estradeira, você bota no terreno urbano sem dó e vai entrando em forma mais rápido, pode ir ao trabalho com ela por exemplo e ir se re-acostumando gradualmente com a coisa toda. No meu caso o trabalho está a uns 25km de casa, e ainda que tenha levado a empreitada à cabo tão poucas vezes, já ajudou.

Um pouco depois, com ajuda do Danilo (dono da loja onde trabalho) e de seu primo Robertinho – Tutto Bikes – pude adquirir a nova estradeira, uma Trek 1.5 que já está rodando e logo coloco post dos primeiros pedais. Ao Robertinho agradeço o especial desconto concedido na aquisição da magrela, foi definitivo para inaugurar a nova fase.

Trek 1.5, a danada.

Já decidi que participarei do Audax 200 de Cristalina – GO este ano, dia 07 de Novembro, duzentos kilometros em cima do selim e se deus quiser em menos de 13:30h (tempo máximo para receber o brevet).

Finalizo o post por aqui porque tenho que almoçar.

Grande abraço à todos.